O livro fala sobre “panelinhas” e desafetos da literatura brasileira – Matéria – Estadão

Que tal entrar em uma panelinha? Se há uma fome de comida, elemento literário, consistência política, significativamente, a mesma palavra que designa o utensílio para cozinhar o alimento serve, em suma, para definir um grupo fechado de pessoas em torno de um objetivo. Uma panelinha de original reunir membros, cujo contato e movimentada frutificariam, abertura exemplificado para o sustento de muitos. Mas, em geral, se a agenda da satisfação de poucos e a exclusão dos diferentes, consumindo-se na sensaboria e danos contra o ideal de justiça. Dignidade nem sempre se encaixam na panelinha, ligados à conspiração e prestígio econômico.

Como foi a dinâmica de panelinhas, das afeições, e inimizades dos escritores brasileiros a partir de 1888 até a década de 1940? Tal pergunta que move o trabalho da respiração de César Braga-Pinto, a investigação, a análise literária, e a interpretação de grande alcance social, cultural e política, a Violência da Letra: a Amizade e a Inimizade na Literatura Brasileira (1888-1940). Professor da Northwestern University, César foi publicado pela Eduerj, em julho.

Minha mãe estava muito doente, anos antes de eu entrar para o ensino médio. A única vez que eu a vi foi em um hospital. Você é muito jovem, você não sabe como as coisas estavam indo bem. Mas uma noite no hospital todos os parentes de lá. O meu pai cresceu em vez de voltar para casa. Eu não sabia a importância da situação naquele momento.

No dia seguinte, minha irmãs mais velhas em casa, em um lugar que eles raramente visitada. Quando eu pego Leslie estava chorando na cozinha, eu perguntei a ela o que estava errado, mas não me diga. Eu disse, “o Quê? Você mãe morrer?” E eu comecei a especular. Mas ainda assim, ninguém pode dizer nada para mim, até que meu pai chegou em casa. A morte dos pais nos filmes sempre tem um ponto fraco para mim. Se a Mãe morre na tela grande, você pode apostar que a água que flui. Então, para dizer que trouxe lágrimas aos meus olhos durante a graça está desaparecido seria um grande eufemismo.

O filme segue um pai como ele leva suas filhas em uma viagem para o parque de diversões após a morte de sua mãe no Iraque. Cusack interpreta um pai que é incapaz de revelar esta notícia chocante para suas filhas. A viagem pode essencial estranho sentimento de tristeza, uma família desintegrada, antes de uma investigação.

Eu sempre disse que o motivo United 93 trabalhou bem é saber onde você deve pertencer. Compartilhar medo segundos finais. Você percebeu muito cedo que as meninas graça é sumiram, você deve saber. Eu estava sentado lá, medo naquele momento, uma sensação de alegria e de cada momento durar antes de você saber a verdade.

Duas das jovens atrizes que jogar o Cusack edifício são materiais naturais. Cusack é brilhante. Este é o melhor desempenho desde os anos.

Juntamente com o imperativo de justiça, contra a privação econômica, étnica, sexual, são marcas do trabalho de César, a originalidade e a riqueza como o tema, autores e obras estudados: as amizades e seus impasses como objeto de discussão e ficcionalização dos homens de letras, incluindo Raul Pompeia, e Luiz Gama, Nestor Victor e Cruz e Sousa, Gilberto Freyre e José Lins do Rego, obras como a de Bom-Crioulo, os contos de Nestor Victor.

O seu esforço é para rastreio de, no acervo da memória cultural, um “repertório de afeto”, com vista a apreender a amizade além de parentesco e proximidade territorial, ou doméstica, mas, principalmente, a fim de destacar as exclusões perpetradas em nome de amigos e irmãos. Exemplar, nesse viés democrático informa o próprio estilo do autor, que sempre abre o pesquisar e articular outros fatos, obras, textos críticos e escritores, falando com diversas abordagens.

Vem desde os gregos a fundação de César para pensar sobre amizade, destacando-se a distinção aristotélica entre a amizade perfeita, entre homens igualmente virtuoso, e motivados pelo utilitário. Um título do livro evoca, de Horácio, concordia discors, harmonia, discordantes coisas. E Leo Spitzer sugere uma aproximação entre a amizade e a música, por meio da etimologia da poesia, em que o radical cabo – une o coração e cordas de guitarra.

O livro traz pesquisas originais sobre o duelo no Brasil: de prestígio entre os escritores que, como Pardal Mallet, Coelho Neto, Luís Murat, o duelo promovido o reconhecimento mútuo de honra dos adversários, reforçando os laços de civilidade entre os membros da emergente elite, letrada, e se diferenciava da capoeira, considerada um crime. Já Raul Pompeia preocupado com o poder da imprensa para manchar a reputação da empresa, especialmente dos menos favorecidos. Sua produção e dramática biografia de são estudados por César: o alvo de tentativas de difamação como para a saúde, sexual e psicológica, isolado como um nacionalista e defensor de Floriano Peixoto, Pompéia foi acusado de evasão o duelo com Bilac e cometeu suicídio. Acompanhado por ilustrações do autor de o Ateneu, a análise de César questão, com o romance: como manter a justiça, e para suportar as humilhações e insultos da opinião pública? E a demanda de atenção para o estudo da amizade de Pompéia com Luiz Gama, inspirando seu abolicionismo.

Deve notar-se também que, as teorias raciais da época, e para o Otelo de Shakespeare, Braga-Pinto analisa a complexidade dos elementos que compõem Bom-Crioulo, de Adolfo Caminha, como a alusão para o bom selvagem e a “degeneração” presentes na “amizade escandalosa” personagem – aqui representados, suas inclinações homossexuais, a raça e a “tendência congênita para o crime.” Aproveitando as ambiguidades e o terror como para a inclusão dos negros na sociedade brasileira, tal análise aponta o caminho entre o discurso de marginalização dos outros e a homogeneização, da fraternidade nacional.

O jogador tem muito a aprender também com os capítulos dedicados para as amizades Nestor Victor/Cruz e Sousa e Gilberto Freyre e José Lins do Rego. Para anunciar questões de amizade, de Machado de Assis, Mário de Andrade e Sérgio Buarque, César o inclui em estudos futuros, suas e de outros pesquisadores.

A semelhança de camarilha, os termos trempe e repouso na origem do sentido da reunião ao redor de uma fogueira, lareira, nutrição e calor. No entanto, raros, o set-up das afeições, em que predominam a fogueira das vaidades e o envelhecimento dos diferentes. Provas, para, a busca incessante de César Braga-Pinto, por compreender a dinâmica das amizades entre escritores: ciente dos limites, preconceitos e possibilidades para combatê-las, tem no horizonte o sentido ético inerente a palavra amizade.

 

*Ieda Lebensztayn é um crítico literário e um pós-doutorado na USP e autor de “Graciliano Ramos e o novo: O Atrônomo do Inferno e os Meninos Impossível’

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário