A comparação entre as traduções de ‘Ulysses’, revela o sexismo no trabalho – Aliás – Estadão

No dia 16 de junho, mais uma vez, em todo o mundo, comemora o Dia de Bloom, ou o Bloomsday, uma homenagem a Leopold Bloom, o protagonista do romance Ulysses (1922), de James Joyce, cuja história se desenrola em que dia. Apesar de Ulisses vai para o herói mítico, o protagonista de Joyce não é um herói, mas um homem comum que se levanta anúncio para um jornal e passa quase 24 horas a vaguear através de Dublin. Se o enredo parece trivial, o mesmo não pode ser dito da linguagem poética utilizada por Joyce.

+Na véspera do Bloomsday, de James Joyce ganha um novo guia para leigos

+Tradução direitos de autor recria passagens de “Finnegans Wake”, de James Joyce

Ele é considerado uma façanha de traduzir a obra. Mas, no Brasil, temos três tradução do Ulysses. O primeiro, a partir de 1966, é por Antonio Houaiss; o segundo, de 2005, Bernardina de Pinho; e o terceiro, de 2012, de Caetano Galindo.

Um fato curioso sobre a recepção destas traduções é que o Houaiss não ganhou o Prêmio Jabuti, nem poderia, porque, naquele tempo, não havia a categoria tradução. Em 2006, Bernardina ficou em terceiro lugar no mesmo ano de premiação, atrás das traduções assinadas por dois homens. Em 2013, a tradução de Galindo ganhou não só a Tartaruga, mas também a outros prêmios no território nacional.

A Conferência dos Sindicatos, pronto para campanha de um referendo sobre a grã-Bretanha sair do negócio apenas Teresa poderia voltar com um bom negócio para os trabalhadores Britânicos na região, o Secretário-Geral disse que, no domingo.

Frances O’Grady entre o Primeiro-Ministro vem de volta com o contrato que protege os empregos e os direitos dos trabalhadores, uma organização guarda-chuva, no reino UNIDO, sindicatos de apoio a pessoas voto de campanha.

Sem comentários vir para os delegados Sindicais encontro em Manchester anual de TUC conferência , onde o Brexit será discutido na segunda-feira, duas semanas antes do Partido do Trabalho da conferência, em Liverpool, onde os participantes são esperados para o debate e a votação na grã-Bretanha sair da política.

Ele vem em meio a montagem de pressão e uma campanha nacional durante o verão o povo votar no referendo, no final Brexit negócio.

O’Grady disse Andrew Marr show: “quero enviar uma notificação para o Primeiro-Ministro hoje que, se não temos os oportunidades de trabalho as pessoas precisam, o TUC vai estar jogando o seu peso por trás da campanha para uma votação popular para que o povo receba a sua opinião sobre se o negócio é bom o suficiente.

“Eu tenho meus pontos – de- não há nenhuma maneira que a Guilda não vai negociar o negócio e não voltar para os seus membros”.

CUM chefe: não enfrentar as causas da Brexit combustível extremo direito

Leia Mais

“As pessoas não confiam em políticos; eles são realmente preocupado com o que Brexit meio de seus trabalhos, em suas comunidades e pagar pacotes com preços mais altos, também. Portanto, é certo que as pessoas podem ter uma opinião.

“Se o Primeiro-Ministro não pode chegar a um acordo que atenda as nossas necessidades, então ele vai ser uma campanha para o voto popular”.

O’Grady apelou ao primeiro-ministro a solicitar uma prorrogação para que eles pudessem tentar negociar um acordo que irá proteger os direitos e o emprego de trabalhadores no Reino Unido.

“Temos sido muito claros em que o PM proteger empregos e proteger os direitos dos trabalhadores e [fornecer] sem fronteira, na Irlanda do Norte.

“O tempo está se esgotando e a União Europeia seria um desastre absoluto sobre as pessoas que o representam.

O fato é que Bernardina parece um tradutor na sombra dos outros dois. Uma boa parte dos críticos costumam dizer que “enfraquecido”, o romance tornou-se o coloquial demais. No entanto, lembre-se de Ivo Barroso, sério e competente como leitor e tradutor, que o coloquialismo usado por Bernardina “procura ser o passo com a linguagem atual”. Há, com certeza, em três traduções no brasil, ganhos e perdas; todos eles têm momentos inspiradíssimos e os momentos em que os tradutores foram tímidos em face do poder das imagens joycianas.

É difícil avaliar de forma objetiva, dentre as inúmeras possibilidades de tradução de um texto, que é o melhor. Consulte o seguinte fragmento de Ulysses:

“Esperar que o chefe consome as peças de honra. Deve ser difícil de exercício. Sua esposa, em uma linha para ver o efeito. Havia um direito real de idade negão. Quem comeu algo ou a alguma coisa do reverendo Senhor MacTrigger”.

“É esperado que a cabeça vai se encaixar as peças de honra. Deve estar familiarizado com a prática. Suas mulheres são os lugares para ver o efeito. Era uma vez um muito real, muito preto velho. Comeu alguma coisa a partir da entrega do reverendo senhor Mac Gatilho”. (Antônio Houaiss)

“É esperado que o chefe consome as peças de honra. Deve ser difícil devido ao exercício. A mulher dele na fila para observar o efeito. Havia um velho preto real. Quem comeu ou coisou as coisas do reverendo Mr. MacTrigger”. (Bernardina De Pinho)

“Eu imagino que a cabeça consome as partes principais. Deve ser difícil por causa dos exercícios. A mulher dele na fila para observar o efeito. Havia um homem negro, senhor. Nós comemos , tempo, patatá do reverendo pastor.” (Caetano Galindo)

As três traduções são, à primeira vista, no mesmo nível de qualidade. A escolha de um em detrimento do outro é mais uma questão de gosto ou de simpatia para o tradutor. Se quisermos precisão absoluta, então nós temos que ler o romance em inglês. A tradução é sempre uma miragem, ou seja, o texto-fonte é e não está lá.

Talvez, na história da recepção da obra de Ulisses no Brasil, a versão de Bernardina foi no terceiro plano, devido ao fato de ter sido assinada por uma mulher. Sua tradução, além disso, ao contrário dos outros dois, em português, é o único que vem com exaustiva notas, que eles compraram a sua erudição e seu conhecimento do livro.

Ulisses é considerado um livro machista. Nele, os homens tomam as decisões, que explore a cidade, que decidem o que vai ser lido e discutido; afinal, eles são os únicos que trabalham na redação do jornal que é descrito por Joyce no sétimo capítulo. As mulheres, quando eles aparecem, servem para enganá-los; ou a passear para cima, sem sair do lugar, como Molly Bloom, que passa o dia na cama.

Quando o livro fala das mulheres, é lembrar que são facilmente esquecidos, como Anne Hathaway, esposa de Shakespeare: “Parece que nos esquecemos dela, como Shakespeare esqueceu-se” (Bernardina).

O pouco entusiasmo para a tradução de Bernardina nos leva a pensar que, talvez, ainda vivemos no mundo descrito por Joyce em Ulysses. As redações dos jornais, o mundo das letras, das artes, etc. ainda estão repletos de Myles Crawford, J. J. O’Molly, O’Madden Burke, e eles são os únicos que ainda estão decidindo, na grande maioria das vezes, sobre o que se vai falar e destacar (com frequência, o trabalho dos homens).

No Dia de Bloom, que bem poderia ser o dia de Molly Bloom, de colocar em cena novamente a tradução de Bernardina Pinheiro é como tomar Molly para a cama, sem necessidade, obviamente, de veneno a ninguém, como fez a “Sra. Maybrick que envenenou seu marido para que eu me pergunto ” (Bernardina).

Eventos do Bloomsday pelo Brasil:

Casa Guilherme de Almeida – SP

Palestras de Maria Teresa Quirino, sexta (15), às 19h, e Amara, Moira, no sábado (16), das 15h. R. Cardoso de Almeida, 1943.

Universidade Federal Fluminense – RJ

Palestras de Barry Tumelty e Dirce Waltrick do Amarante. A quarta (13), às 14h30. Campus Do Gragoatá. A. o Professor Marcos Waldemar de Freitas Reis, Niterói.

Fundação Cultural – SC

Leituras, workshops, performances e exibição de ‘Bloom’. A partir das 15h. R. Visc. de Ouro Preto, 216.

*Dirce Waltrick do Amarante traduziu e organizou, entre outros, ‘Finnegans Wake (Por um fio)’, de James Joyce

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário